quarta-feira, 29 de junho de 2011

Consulta na GO e outras

As pessoas dizem que já tenho uma barriga. Antonio percebeu e eu disse que não, que a barriga é de gordura. Mas resolvi verificar, encolhi a gordura e notei que realmente tem uma barriguinha aparecendo. Aí, veio a questão: Será que são gêmeos? Antonio surtou com a possibilidade. Minha amiga que trabalha com ultrassom, disse que faria uma USG na segunda para vermos como estão as coisas. E lá estava o bebê, já tem cotoquinhos de braços e pernas e estava se mexendo. O coraçãozinho batendo. Fiquei apaixonada. E era só um. (Ufa!)
Naquele mesmo dia, fui na consulta com a GO nova. Gostei, mas ela disse que não poderá fazer meu parto, pois entrará de férias no período. Ou seja, terei que caçar outro GO. Talvez continue com a que fez o parto da Ana. O problema é que ela está sempre lotadérrima, a mulher faz parto normal, cesárea e ainda dirige um centro de estética. É muita coisa e isso me preocupa em relação a uma emergência. A GO me perguntou se eu ia fazer parto normal de novo. Minha resposta: tanto faz. Se tivesse uma terceira opção de parto, seria mais fácil decidir. Mas ainda tem muito tempo, até fevereiro, eu decido ou as circunstâncias decidem.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

7 semanas

E os enjoos começaram. Estou péssima, com cara de defunta (pra não dizer de bunda). Mas é exatamente assim que fico pela manhã. Como sofro. Os enjoos começaram exatamente na mesma semana da gravidez da Ana. E o pior é que não consigo comer direito. Ontem, almocei batatinhas fritas industrializadas. Fui para o trabalho e me senti fraca. Quando tive uma oportunidade de comer, tomei um suco de acerola com laranja super ácido e um pastel de forno. Ou seja, alimentação péssima. O problema é que, apesar da fome, não tenho vontade de comer. Oferecem bombom, bolo, tudo que eu gosto e eu RECUSO. Devo ter emagrecido, pelo menos, uns dois quilos. Porém, a barriga continua aparente. Não, não é barriga de grávida porque com esse tempo de gestação não há barriga. Mas, como estou sempre com a sensação de empanzinada, estufo a barriga. Além dos enjoos, sinto-me extremamente cansada.
Não vejo a hora de passar esse primeiro trimestre.

segunda-feira, 13 de junho de 2011

6 semanas

Ai, ainda estou tão no inicinho. Tem tantas águas pra rolarem...
Não sinto muitos enjoos, mas me sinto muito cansada. Tem sido difícil levantar de manhã pra fazer as coisas.
Ontem, senti um pouco de cólica, como as menstruais, por isso, resolvi ficar deitada até mais tarde. Só levantei às 11 da manhã, o que desregulou toda a rotina da Ana. Mas depois, tive um dia tranquilo.
Os amigos tem recebido a notícia com muita alegria (que bom). Achei que muita gente ia criticar, dizendo coisas do tipo: "Mas já?" Mas, ninguém tem naaaaaaada com isso. As opiniões que me interessavam eram do Antonio e dos meus pais.
O que me tem preocupado no momento é que tive que parar de amamentar a Ana. Apesar dela mamar pouco, os meus seios estão doloridos e, às vezes, vazam. Estou doida pra ir à consulta da GO pra saber disso tudo.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Como andam as coisas

Até agora não tive enjoos, mas ando extremamente cansada. Olho as coisas que tenho que fazer e não tenho vontade de fazer nada, só de dormir, apesar de não poder. O que me preocupa agora é que não consegui uma consulta pra esse mês, já liguei para vários outros médicos, mas ninguém tem horário. Quero fazer os exames iniciais e uma ultra pra ver se está tudo bem. O jeito vai ser ir à casa da minha mãe e madrugar no sábado pra pegar uma senha e ser atendida pela minha GO por ordem de chegada. Vai ser dureza, mas é o único jeito.
Só ficarei tranquila quando ver que o embrião está se desenvolvendo bem.

terça-feira, 7 de junho de 2011

A descoberta

Passaram-se dois dias e nada das regras (como dizia minha avó) chegarem. Desconfiei. Os meus seios estavam ficando escuros, como foi na gravidez da Ana, e aí, tive quase certeza. Fui à farmácia e pedi dois testes de marcas diferentes. A moça da farmácia disse: "É pra não ter dúvida, né". Uma 'tiazinha' com pinta de fifi, ouvi a conversa e me perguntou: "Foi planejado?" Eu disse: "Não, mas será bem vindo."
Fiz os dois testes e deu muito positivo. Ainda fui ao laboratório e paguei por um beta e deu positivo. Fiz exatamente como foi na gravidez da Ana.
Fiquei um pouco preocupada com a reação do meu marido, porque já tinhamos decidido que teríamos somente um filho. Ele tinha pavor só de ouvir falar em outro filho. Quando contei a ele, me surpreendi. Antonio abriu um sorriso e ficou muito feliz.
Sabemos exatamente quando tudo aconteceu. Mas o mais estranho é que não bate com o que seria um período fértil. Estou começando a acreditar que minha fertilidade é nos 365 dias do ano. Tenho que tomar cuidado.
Estou feliz, mais paciente do que na primeira gravidez.
Já fiz as contas, esse bebê nascerá no início de fevereiro, quando Ana estará com 1 ano e sete meses.