quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

34 semanas

A coisa anda complicada por aqui. Tenho sentido muitos incômodos e dores em todos os órgãos do meu corpo. Cada vez que Ian mexe, eu sinto dores, de chegar ao ponto de gritar. Não sei se é característica dele ou se é pelo fato do meu útero estar sensível de uma gravidez atrás da outra. Mas é fato que ele mexe muuuito. Ontem, durante o exame de cardiotocografia, o aparelho ficou em movimento o tempo todo, porque ele mexia demais, minha barriga subia e descia.
Fiz uma ultrassonografia e, segundo o médico, ele já está de cara para o gol, encaixadaço. E, graça a Deus, ele está muito bem, pesando aproximadamente 2 kg 340 g.
O palpite de todos é que não chegaremos a fevereiro. Minha preocupação é o médico querer tirá-lo antes, pelo fato de estar encaixado. Por isso, vou conversar com ele, semana que vem, pra ver a possibilidade de fazer a cirurgia quando eu entrar em trabalho de parto ou com 39 pra 40 semanas. A ideia de fazer uma cirurgia pra tirar o bebê já não me cai bem, tirá-lo cedo é pior ainda.
Comprei mais roupinhas pequenas pra ele e ganhei alguns bodies e shortinhos da minha mãe. Mesmo que perca logo, não tem problema, não quero que o menino fique igual um pai joão na maternidade, como ficou a Ana. Só de pensar em como a Ana estava mal vestidinha na maternidade, dá dó....hehehe

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Lavando roupinhas


Hoje, me preparei pra lavar as roupas do Ian. Agora que estou de férias, posso me concentrar só nisso e aproveitar o sol escaldante que tem feito. Ontem, separei as roupas que ele vai usar imediatamente, P e RN. Algumas foram da Ana. Percebi que tem muitas de manga comprida, não sei se ele vai usar. Como eu não passo mais entre a máquina de lavar e a parede pra chegar ao tanque, tinha decidido lavar as roupas na pia do banheiro. Mas, aproveitei o calorão: enquanto Ana brincava na piscina, coloquei um top e um short do marido, arrumei um banquinho e lavei tudo na mangueira do quintal. Foi delicioso, acho até que economizei mais água do que se tivesse lavado na pia. De vez em quando, jogava a mangueira com água em mim. Muito bom!
As roupas secaram rapidamente, por causa do sol. Algumas roupinhas da Ana estavam manchadas e coloquei de molho com Vanish no sol, ficaram ótimas.
Lembro que quando lavei as roupas da Ana, comprei baldes, esterelizei tudo, era cheia de requequê. Dessa vez, não comprei baldes novos, só lavei e passei cloro nos que eu já tinha. Quanto a maneira de lavar, jamais teria coragem de lavar as roupinhas da Ana numa mangueira. Mas isso tudo é bobagem. Confesso que passei cloro na ponta da mangueira, pra lavar meu sentimento de culpa, de ser mais relaxada com as coisinhas do Ian. Volta e meia, alguém me diz: "Ah, coitadinho, ele não vai ter isso, não vai ganhar isso novo?" Muitas bobagens. Ele tem uma vantagem que Ana não teve, a experiência dos seus pais e um amorzão concreto, que eu só fui ter noção com a Ana depois que ela nasceu.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

33 semanas


Às vezes, me perco na contagem das semanas, fico em dúvida se é pra mais ou pra menos. Semana que vem farei uma ultra. Eu estou desconfiada que o mocinho está sentado e todo para o lado direito. Ele mexe de uma maneira que dói muito, principalmente se estou com fome ou comendo. Estou muito curiosa pra saber a posição dele. As minhas roupas estão apertadas ou curtas, algumas calcinhas não cabem mais, sobre a urina, nem precisa dizer que não posso rir, nem tossir, né. Vou começar a lavar as roupinhas ainda essa semana, já que fiquei de férias. Preciso me organizar, primeiro lavar as roupinhas, depois posicionar os móveis no quarto, depois guardar as roupinhas. Só vou arrumar o berço na semana do nascimento dele. Organizaram chá de fraldas nas duas escola que trabalho, ganhei um número bom de fraldas e alguns itens de higiene. Eu amo esse carinho. Nessa gravidez, não ganhei muitos presentes. Lembro que na gravidez da Ana sempre ganhava uma roupinha. Na do Ian, ganhei poucas, mas está bom.
Nas minhas contas, domingo completo 34 semanas. Na conta do GO, completo 34 semanas na sexta.
Faltam ainda um mês e 11 dias.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

32 semanas, visita ao GO

Oito meses. Está passando muito ráááápidooooooo. Ainda não lavei um pano de boca. Não fiz nada. Tenho que arrumar o quarto, mas estou com preguiça, sem disposição. E ainda faltavam comprar algumas coisinhas, como: pentinho e escova, uma touquinha e luvinhas, uma cortina e uma solução para guardar os brinquedos. Até que, uma colega comentou comigo que seria melhor deixar a Ana no berço e o Ian dormir no berço desmontável. Mas o berço desmontável é rosa! Ah, não quero. Então, várias mães me aconselharam a comprar uma caminha pra Ana. Comprei uma bicama e a cerquinha pra ela não cair. Aproveitei pra comprar os outros itens. Ainda bem que achei tudo que precisava, inclusive a cortina do jeito que eu queria.
O que estava me preocupando é que não estou aguentando mais andar por muito tempo, nem num shopping. Depois de alguns minutos, parece que carrego dois sacos de arroz na barriga, pesa demais. Todo mundo diz pra mim que esse bebê vem antes, eu também acho. Mas também, pode estar todo mundo errado.
Hoje fui ao GO e comentei dos incomodos, da dificuldade pra andar, e ele chamou minha atenção para o ganho de peso. Já engordei 10 kg até agora e ainda faltam 7 semanas.
O Ian não para, até na hora de ouvir o coraçãozinho dele é dificil, ele fica no mexe mexe. Doi tudo aqui por dentro, principalmente a noite. Se eu não como, demoro pra comer, ele começa a se remexer de uma forma que dói pacas.
Tenho uma ultra pra fazer e uma cardiotocografia. Voltarei ao médico daqui a três semanas e depois as consultas serão toda semana. Interessante que na gravidez da Ana, a médica resolveu me atender de 15 em 15 no final, e só com 38 semanas ela resolveu passar as consultas para semanais. Ela dizia que eu estava muito bem, não tinha necessidade. Agora, será cesárea e o médico quer me ver toda semana. Vai entender.
No último final de semana, fui para uma cidade praiana aqui perto pra comemorar o aniversário de casamento. Ficamos em uma pousada de frente para o mar, foi ótimo, deu pra descansar. Porém... a pousada tinha muitas escadas e eu me senti muito mal. Parecia que o Ian ia nascer. Eu senti cólicas, pressão na pélvis, vontade de evacuar, não conseguia ficar muito tempo em pé, tudo doia. Mas nada me parecia a dor que senti pra parir. Por isso, fiquei tranquila, só observando. Se de madrugada tudo piorasse, aí sim, procuraria o hospital. Interessante que na gravidez da Ana eu ia para o hospital por qualquer colicazinha. Se eu sentisse o que senti dessa vez, na primeira gravidez, já tinha ido para o hospital de mala e cuia.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

31 semanas

O tempo está passando rápido. Na verdade, estou curtindo menos essa gravidez. Na da Ana, curtia cada semana, lia tudo a respeito, ficava na expectativa a ca da semana. Mas agora, acho que tenho tanta coisa pra fazer, que o tempo vai passando, passando e nem vejo passar. Esse menino está demais, ele faz um remelexo aqui dentro, mas é uma delícia. Ana já aprendeu o nome do irmão: eu pergunto cadê o Ian e ela repete 'Ian' e alisa minha barriga. Mas também, só quando quer. Decidi que quando ele nascer, vou comprar um presente pra ela e dizer que foi o irmão que deu. Vou fazer o possível pra que Ana não sinta de maneira negativa a chegada do irmão.
Estou atrasada com a arrumação do quarto, nem lavei as roupas. Estou esperando entrar de férias pra organizar tudo, mas estou morrendo de preguiça, pois terei que tirar tudo dos armários pra arrumar e ainda preciso ver um jeito pra guardar a montoeira de brinquedos da Ana. Além disso, preciso me desfazer do kit berço da Ana, não sei pra quem vender, ou quem sabe, doar.
O curioso é que todo mundo acha que o bebê vai nascer esse mês, quando digo que é pra início de fevereiro, as pessoas se assustam por causa do tamanho da barriga. Nem acho que a barriga está tão grande assim, está uma barriga de 7 meses e pronto. Faltam 8 semanas, dois meses.

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

30 semanas

Estou exausta. A parte da manhã é pior pra mim, parece que eu corri uma maratona, fico com falta de ar, ao andar, arrasto meu corpo como um peso e o calor só piora as coisas. O final de semana foi complicado. Na madrugada de sábado pra domingo, não dormi bem, passei mal com muita azia e diarreia. Não como mais porcarias a noite. Aliás, tenho passado muito mal a noite com azia e dor de barriga. Se comer algo mais pesado, já era. A azia tem me acompanhado o dia todo, mas a noite é pior.
No domingo, fui lavar o banheiro e levei um tombo. Graças a Deus, não foi nada grave. Na hora, senti uma dor insuportável na perna esquerda, eu caí sentada, mas com a perna esquerda dobrada pra trás, que acabou amortecendo o baque no quadril. Mas fiquei com o pé roxo e toda ralada. Meu marido ficou tão desesperado que queria ligar para a emergência e eu, morrendo de dor, pedindo pra ele não fazer isso. Já pensou que micaço, ligar pra emergência por causa de uns arranhões? Tudo bem, até a gente descobrir que não foi nada demais, levamos um grande susto. Ana ficou apavorada. Ela me viu no chão e chorou muito, enquanto apontava para o próprio pezinho. Tive que acalmá-la e explicá-la que a mamãe tinha se machucado, mas não era nada grave.
Muita gente me diz que acha que Ian vem antes do início de fevereiro, espero que não, apesar de achar que vem mesmo. Ele é pura energia. Basta passar a mão na barriga, conversar com ele que se mexe todo serelepe. Quando ouve a voz do pai e da irmã, dá vários pulos (ou socos, não sei).

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

29 semanas

Eu estou sempre atrasada. Já estou entrando na trigésima semana e ainda não postei sobre a vigésima nona.
Eu tenho tossido muito. Meu GO receitou um xarope natural de abacaxi, maravilhoso, mas é só um paliativo. Eu acho que essa tosse tem a ver com a posição do bebê, ele deve interferir em algum órgão, diafragma, sei lá.
Ontem a noite, ele mexeu demais, ele mexe e dói, de eu sentir os órgãos se mexendo. Quando meu marido viu, fez uma cara de preocupado, pensando que daqui um pouco mais que dois meses, vamos acordar de madrugada, dormir pouco, comer pouco...
Mas eu estou ansiosa pra conhecê-lo, tê-lo em meus braços, ver o rostinho dele. Como eu já comentei, ele parece com a Ana, pelas ultras. A pergunta que todos fazem é: será que ele terá os olhos claros? Sinceramente, acho que não, sinceramente, não tinha pensado nisso.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Chá de bebê e enxoval

Sobre o chá de bebê, resolvi não fazer. Até pensei em fazer um chá e reunir as amigas mais chegadas, sem intenção de ganhar presentes e fraldas. Mas depois, desanimei. Não estou com disposição (nem dinheiro) pra organizar nada. O trabalho e os cuidados com a Ana, somados com a gravidez, me cansam muito. Quando tem alguma promoção de fraldas, compro. Minha mãe andou comprando fardos de fraldas Pampers numa promoção do Guanabara. Logo, resolvi descartar mesmo o chá de bebê.
Quanto ao enxoval, acho que não falta praticamente nada. Quer dizer, falta comprar uma estante, ou um baú, ainda não sei, pra arrumar os brinquedos e livros da Ana e eu conseguir organizar as coisas do Ian. Resolvi dividir o quarto em duas partes, uma para a Ana e outra para o Ian. Ana ficará com o guarda-roupa e dormirá no berço desmontável, Ian ficará com a cômoda e dormirá no berço convencional. O quarto se dividirá em rosa, lilás com bege e azul.
Fui na Feira de Gestante e bebê e comprei o que faltava, apesar do marido ficar do lado achando que nada era necessário. Até com o kit higiene ele encrencou, acha que não tem nada demais o menino usar bandejinha rosa e porta fralda rosa escrito Ana. Ele se mete muito mais no enxoval do Ian do que se meteu com o da Ana, mas eu tenho que respeitar, né. Voltando as compras: comrei uma bandeja de vime e acrílico e um porta fralda bege e marrom. Os potinhos, vou aproveitar os da Ana, pois são de acrílico transparente. A saída da maternidade é a coisa mais linda. Um macaquinho de linha vermelho e por dentro, um body imitando camisa social quadriculada com vermelho. Ele vai ficar um charme. O quadrinho de porta foi o mais difícil de achar, pois nenhum me agradava. Acabei levando um nicho redondo com uma girafinha de pelúcia, escrito Ian. Comprei uma manta cor de petróleo, caso o tempo esfrie de repente. Achei o cd de cantigas de roda com o nome Ian, exatamente escrito assim. Como Ana tem o cd com o nome dela, achei que futuramente poderia haver conflitos por causa disso. Trouxe também, alguns lençois, não o suficiente, mas pelo menos temos mais dois. Uma coisa que lembrei depois, foi a capa para carrinho, as que tenho são todas de menina, tenho que providenciar. Pra não esquecer da Ana, trouxe pra ela um porta escova de dente que é um elefantinho que gruda na parede do banheiro, ela põe a escovinha no elefantinho e ele fecha sozinho. Nem preciso dizer que ela amou.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

28 semanas e consulta do pré natal

Essa semana foi longa. Iniciei a semana com uma baita diarreia, ao ponto de ir para a emergência. Mas, graças a Deus fiquei bem. Ian está cada vez mais agitado, sinto muitas dores por conta disso. Mas é gostoso senti-lo, dá pra sentir nitidamente as partes do corpinho dele. Hoje, brincando com a Ana, coloquei um brinquedo dela que toca música na barriga, ele mexeu demais, enquanto o brinquedo tocava a música.
Essa semana, entrei no sétimo mês. Faltam apenas dois meses. Dois meses pra eu decidir muita coisa.
Hoje foi a consulta com o GO e foi um sufoco. Minha mãe ficaria com a Ana pra eu ir na consulta, mas ela teve um problema, em cima da hora e eu tive que levá-la para a consulta. Dá pra imaginar a dificuldade? Já estava pronta pra sair, tive que arrumar a Ana e nem deu pra almoçarmos, preparei uma mamadeira reforçada pra ela e fomos. Quando tirei-a do carro, percebi que o sapatinho que coloquei na pressa estava pequeno, saia do pé. Parei numa loja de calçados infantis e pedi com urgência um tênis. Saí da loja e fui para a consulta. O problema é que o prédio do consultório tem escada, fila pra elevador, um sufoco. Quando cheguei no consultório, senti falta da minha pasta de exames do pré natal. Tive que descer do prédio e voltar na loja pra pegar a pasta. A secretária do médico, percebendo meu sufoco, perguntou se eu tinha ido sozinha com ela. Durante a consulta, o médico pediu que a secretária ficasse com a Ana. Eu estava muito fragilizada, por toda essa situação, esse sufoco, ter que pegá-la no colo, subir e descer escada, levar com a porta do elevador na cara porque ninguém segurou pra eu sair com ela... . Eu entrei no consultório com os olhos cheios de lágrimas, fazendo um esforço imenso para não dar vexame e chorar. Comecei perguntando ao médico se ele fazia laqueadura na hora do parto. Ele, de cabeça baixa, disse que fazia sim, mas em mim, ele não faria, porque eu não estava em condições de tomar essa decisão agora. Danei a chorar, chorar muito. Depois dele falar muito, decidi que vou colocar DIU Mirena e ficar cinco anos sem menstruar, depois pago outro de novo, até entrar na menopausa.
Sobre o parto, sem eu comentar nada, ele disse que eu não preciso entrar na faca à toa. Que posso fazer o pré natal com ele e o parto normal com uma médica que ele indica. Até porque, tenho uma boa estrutura para o parto normal e não precisaria fazer uma cirurgia sem necessidade. Disse que não faz parto normal por não ter mais
condições de acompanhar o trabalho de parto. Isso será decidido por mim.
Aproveitei essa consulta pra tirar várias dúvidas.
Pena que eu estava muito fragilizada. No final da consulta, o médico me abraçou e disse pra que eu continuasse com a terapia (é claro, né, doutor!).
Fui embora com a Ana, me segurando pra não chorar pela rua, minha vontade era só chorar, chorar e chorar.
Amanhã, irei ao Riocentro comprar o que falta para o enxoval do Ian.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

27 semanas

Esse menino meeeeeexe demais. Ele fica praticamente o dia todo mexendo, e de uma forma que sinto direitinho os movimentos dele. Meu intestino se contorce, do nada me dá dor de barriga, por conta das mexidas dele. Gente, estou entrando no sétimo mês ainda! Ana mexia nessa época, mas não dessa forma. Muita gente me diz que é assim porque é menino. Ai, ai, será que ele vai ser levado?
Tenho me policiado para não carregar a Ana no colo. Se a carrego, sinto cólicas e morro de medo dele vir antes. Mas tem horas que é difícil não pegá-la, realmente não sei o que fazer.
A barriga está enorme e redonda, como foi na gravidez da Ana e, graças a Deus, nada de estrias. Estou cuidando bem da pele pra não aumentar as manchas. Só a alimentação que não anda lá essas coisas. Continuo com a drenagem linfática, que tem me feito muito bem. Tenho me maquiado mais e cuidado dos cabelos. Não quero ficar com cara de baranga e espero continuar com toda essa vaidade mesmo depois dele nascer.
Sinto-me tão orgulhosa de esperar esse bebê...
Não tenho comprado muitas coisas pra ele. Aliás, está tudo meio atrasado, mas nada desesperador. Vou à Feira do Riocentro semana que vem pra providenciar o que ainda falta. Não tem jeito, toda vez que entro numa loja de bebê, acabo comprando coisas para a Ana. Primeiro, porque as lojas tem mais variedades para meninas, segundo, porque acho sem graça comprar coisas sem ele ter nascido. Tenho algumas conhecidas que já pariram ou vão parir meninos e já combinaram de me passar as roupinhas de seus babys. Ou seja, além das que comprei (e vou comprar), ainda vou herdar outras roupinhas. Meu menino vai ser realmente fashion e vaidoso.
Emprestei minha almofada de amamentação para uma amiga para que ela tirasse o molde e fizesse outras pra vender. Comentei com ela que vou usar a mesma almofada com ele, mesmo sendo rosa. Então, ela resolveu fazer uma capa nova, azul, com bordado inglês, escrito Ian. Ficou lindo. E dá uma sensação legal ver o nome do seu bebê em alguma coisa. Foi o primeiro item com o nome dele.

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

26 semanas

Demorei pra postar por falta de tempo. Tenho trabalhado muito e me sentido cansada. Não paro de fazer xixi, sinto uma dorzinha na pelvis. A impressão que dá é que o Ian vai sair a qualquer momento. Esse menino deve ser grande ou está fazendo estripulias aqui dentro, porque a Ana, nessa época da gestação ficava mais tranquila. Um dia desses, Ana dormiu no meu colo, com a cabeça encostada na barriga, ele chutava tanto que a cabeça dela mexia.
Fiz a doppler essa semana. Graças a Deus está tudo bem. Eu não fui com expectativa pra vê-lo, pois sabia que na doppler é só pra verificar fluxo sanguineo, artérias, essas coisas. Mas o médico foi super legal, antes de fazer a doppler, deixou eu vê-lo, vi de perfil e de frente e, pelo que parece, vai ser parecido com a Ana. E mais uma vez, mostrou o pintinho dele. Saí de
lá radiante de vê-lo novamente.
Eu comprei dois pingentinhos, um representando a Ana, outro, o Ian. As pessoas se surpreendem de eu já ter providenciado o pingente dos dois. Mas, pra mim, não tem diferença se ele já nasceu ou não. Os dois são meus filhos de forma igual. Às vezes, estou com a Ana, dormindo abraçada e sinto-me abraçando os dois, os dois bem perto de mim. Isso é muito bom.
Eu tinha consulta com o GO hoje, mas ficou para o dia 18.
Algumas fotos, como prometido.

Algumas roupinhas compradas na Feira do Riocentro

Barriga de 26 semanas, bem florida

domingo, 30 de outubro de 2011

Sobre o parto

A questão do parto está tirando meu sono. Estou muito incomodada na ideia de que não tenho direito de escolha com o meu GO. Ainda mais que, provavelmente, ele não fará a laqueadura, logo, vai me abrir à toa. Ando lendo muito sobre partos e gostaria muito de viver a experiência do parto natural, humanizado. Parir sem muitas frescurites e intecorrências. Sim, isso é possível e não é arriscado. Existem médicos que fazem, mas os que tomei conhecimento, não estão no meu plano.
Na próxima consulta vou conversar com o meu médico sobre a laqueadura, parto, essas coisas.
Realmente, não queria fazer uma cirurgia desnecessária, ainda mais tendo certeza que sou capaz de parir meu filho.
Sinto-me meio de mãos atadas. Gosto do meu GO, sinto-me segura com ele, tenho várias referências. Mas isso não me faz sentir-me satisfeita no modo como as coisas vão se desenrolar. Ainda bem que tenho três meses pra pensar (e agir) nisso tudo.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

25 semanas

Essa semana está corrida demais. Tive várias crises de ansiedade, mal estar por causa do calor, Ana ficou doente. Logo, ficou difícil vir aqui postar sobre essa semana. Queria postar algumas fotos das roupinhas do Ian, além da barriga, mas não tive tempo de tirá-las.
Ana sempre dá beijinhos e carinho na barriga. Mas quando pergunto aonde está o neném, ela alisa a própria barriga, uma graça.
Esses dias tem feito muito calor e eu fico sem ar, sentindo um grande mal estar. Na gravidez da Ana também sentia isso e nem estava tão quente. Ainda bem que falta pouco para acabar o ano letivo e eu ficar em casa, porque é brabo subir e descer escadas e rampas, além de ter que falar para uma turma nesse calor.
Espero que semana que vem as coisas melhorem por aqui e que o tempo voe.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

24 semanas

Quando chega domingo, eu penso: hoje eu faço tantas semanas. E isso tem acontecido muito, o tempo realmente está passando rápido, tenho essa sensação.
O Ian mexe muito, muito mais do que a Ana nessa época da gestação. Ontem, ele mexeu o dia todo e a noite foi uma festa, ele chutava o pé da barriga, de incomodar, da barriga mexer. Ele ainda é tão pequenininho e já está fazendo essa agitação toda, como vai ser daqui a 15 semanas???
Falando daqui a 15 semanas, eu não sei se já comentei por aqui, mas dessa vez farei uma cesárea. O médico já me avisou que vai ser cesárea e ponto. Foi na cara dura, nem deu desculpas que o bebê está assim, que eu tenho mais de 35 anos... Ele disse que não faz parto normal e acabou. Nem me abalei com isso. Porém, estou com medo de algo dar errado, nunca sofri nenhuma cirurgia. Tenho (ou tinha) a intenção de fazer a laqueadura, mas já ouvi falar que é proibido fazer laqueadura no parto, apesar de muitos médicos fazerem. E já ouvi dizer que esse GO não faz. Ainda não tive coragem de tocar o assunto com ele. Vou pedir a opinião dele, sobre o que eu faço pra não ter mais filhos...hahaha...ele que se vire. Antonio não quer nem pensar na vasectomia e nem acha legal eu fazer laqueadura. Mas algo tem que ser feito para que a fertilidade passe longe daqui.
A cada postagem, vou colocar fotos das coisinhas que o Ian já tem. E semana que vem posto uma foto da barriga também. Estou devendo.
Eu sou louca por sapatinhos. Mas estou maneirando com o Ian. Os dois sapatinhos do meio foram comprados por mim, a pantufinha branca da direita foi a vovó Cleo que deu e a pantufona vermelha dos Carros foi a amiga Aline, quando ele estiver maiorzinho. Aline também presentou com essa blusinha da direita, achei linda. O body "mauricinho" fui eu que comprei, é da Henring.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

23 semanas

Cheguei ao sexto mês. Estou feliz porque as semanas estão voando e eu não vejo a hora de chegar dezembro porque entrarei de férias e não voltarei até 2013...hehehe.
Nesses dias que tem feito muito calor tenho padecido, fico mais cansada do que o normal, fico imaginando quando chegar o verão, a barriga explodindo junto com o sol.
Comecei a drenagem e amei. De imediato, senti um alívio na barriga, parecia que eu não tinha barriga, que ela tinha murchado e as dores sumiram. Eu sinto um pouco de dor na barriga, não sei se é intestino. Ian sofre com a Ana. Volta e meia ela dá uma cabeçada, uma cotovelada, uma joelhada na barriga. Sem contar quando senta na minha barriga e ele chuta. Jamais contarei a ele esses episódios para não alimentar o desejo de vingança...hehe
Ian ganhou uma pantufa e uma blusinha de frio da amiga Aline. Amei os presentes. Vou criar um post só com as coisinhas que o Ian já ganhou.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

22 semanas

Última semana do quinto mês (eu faço a contagem do livro "O que esperar quando você está esperando"), Ian se remelexe principalmente à noite. Às vezes, Ana está sentada na minha barriga e ele chuta lá de dentro. Estou vendo que vai querer se vingar depois de nascer...hehehe
Tenho olhado roupinhas para ele, mas como é difícil. As lojas tem espaços enormes de roupas de meninas e um pedacinho para meninos e, na maioria das vezes, roupinhas sem graça. Comprei algumas coisinhas bonitinhas na Renner e na C&A, mas mesmo assim, é limitado. Quando compro pra ele, sempre levo algo pra Ana, porque não resisto, tem sempre coisas lindas para meninas.
Ontem fui na consulta do pré- natal, engordei dois quilos, aproveitei pra falar que ando com tonturas e muitas dores na lombar. As tonturas, segundo ele, são normais, mas a dor na lombar pode ser coluna, devido ganho de peso e postura ou infecção urinária, nesse caso, vou fazer um exame de urina pra tirar essa hipotese. Provavelmente, deve ser a coluna devido ao ganho de peso, preciso maneirar meeesmo.
Achei interessante que o médico viu na ultra que é um menino e pediu o nome dele pra pôr no cartão de pré-natal e, toda vez, que se refere ao bebê, chama-o pelo nome. Achei fofo.
Já peguei a guia pra marcar a doppler pra quando estiver com 26 semanas.
Continuo chorona, pesada e cada vez mais barriguda.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

21 semanas e a morfológica

Ian tem mexido muito. Eu sinto dores na lombar insuportáveis, ao ponto de sentir dificuldade pra andar e descer escadas. Além da azia e dos xixis constantes. Se eu tusso, se eu rio, faço xixi nas calças. Fico imaginando daqui a três, quatro meses...
Hoje fui na tão ansiosa morfológica. Eu tinha duas expectativas: saber se o bebê estava bem e confirmar o sexo. Pensei em fazer o seguinte: esperar o médico fazer todo o exame, saber se o bebê está bem e perguntar o sexo. Quando o médico entrou na sala, ele perguntou se eu já sabia o sexo, eu disse que achava que sim e ele riu. Quando começou o exame, de imediato ele disse: é menino. E apontou para a imagem, aonde eu achava que era o rosto e digitou PINTO.
No final do exame, me deu os parabéns pois o bebê estava muito bem. Saí de lá feliz. Olhei várias vezes a imagem aonde o médico escreveu 'pinto' pra tentar entender, até que visualizei, o pintinho estava pra cima. Mas o que me emocionou foi vê-lo se mexendo, abrindo a boquinha mexendo as mãozinhas no rosto.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

20 semanas

Cheguei às 20 semanas, metade da gestação. Os sintomas parecem que eu já estou de 7 meses: xixi toda hora, dores nas costas, azia. Mas o principal agora é que já sinto bem o Ian mexer, de ver os movimentos na barriga. Pra mim, sentir o bebê mexer é a melhor coisa da gravidez. Dá vontade de ter uns 10 filhos só pra ter o prazer de senti-lo mexer. E uma amiga que veio me perguntar como é estar grávida, porque ela pensa em engravidar, mas tem nervoso dessa coisa do bebê mexer lá dentro. Eu disse a ela: "Mas é uma sensação maravilhosa da vida!"
Hoje, comecei a tomar florais. A terapia tem me ajudado muito. A psicóloga me ensinou alguns exercícios de relaxamento, e isso tem interferido positivamente no bebê. Que ele venha seguro, equilibrado e feliz.
Próximo post eu publico uma foto da barriga.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

"Cada semana é um flash"

Gente, que gravidez emocionante. A cada semana, a cada mês tem uma novidade. A ansiedade está sendo controlada, estou fazendo terapia e tem me ajudado muito. Mas agora, adivinhem...tenho sentido muitas tonturas, minha cabeça roda, roda, roda. Principalmente, se eu abaixar a cabeça ou olhar para o alto. Eu já tive crises de labirintite, mas passou, então, não sei se é ela que está voltando. Bem que me falavam que uma gravidez nunca é igual a outra.
Na primeira, eu estava bem mais magra, mais elegante e mais disposta. Nessa, estou muito acima do peso, com o rosto todo manchado de sol e cada hora tem um incomôdo ou dorzinha diferente. Quando desço escada, sinto um incomodo láááá embaixo, parece que o bebê vai sair.
Hoje pela manhã, deitei meio de bruço e senti ele chutar várias vezes, acho que não gostou da posição, coitadinho.
Comecei a fazer hidroginástica, mas prefiro a natação. Pretendo me exercitar até parir, será que consigo? Tenho que começar a controlar a alimentação e me exercitar. Outra novidade é que vou começar a tomar florais. Segundo a terapeuta, além de me acalmar, ainda vai fazer bem para o bebê.
Tenho pensado em algumas coisas que tem me preocupado. Eu não tenho idéia como vai ficar minha vida depois que o Ian nascer. Minha mãe fala o tempo todo (muitas vezes pra mexer comigo, mas com um fundo de verdade) que vai criar a Ana, que ela vai dormir lá. Mas eu não quero. Quero que ela fique perto de mim, vou fazer o possível pra dar atenção a ela, de fazê-la me ajudar com o bebê... Não quero que ela se sinta abandonada por mim depois que o irmão nascer. É claro que não conseguirei dar conta sozinha dos dois, vou precisar de ajuda, mas são meus filhos, logo, terei que dar atenção aos dois. Espero que eu consiga.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

19 semanas e agradecimentos

19 semanas chegaram, mas nem acho muita graça nesse número, estou doida mesmo é pra chegar às 20 semanas...hehehe
A barriga está maior, mas nada de sentir Ian mexer, de vez em quando sinto umas tremurinhas, mas nada de grande. Estou doida pra senti-lo melhor pra ter a sensação mais perto de que ele está aqui comigo e preciso cuidar dele. Por enquanto, cuidar da Ana e do Ian está sendo mole. Aonde levo Ana, levo ele também. Depois é que vai ser loucaçooooo. Ana andando e mexendo em tudo e ele chorando querendo mamar, duas crianças pra trocar fraldas, mais roupas pra lavar...
E todos dizem: é bom que cria junto, no início vai se difícil, mas depois melhora, além do que, passa rápido. Eu acredito com todas as minhas forças nas mães experientes que me dizem isso.
Já marquei a morfológica para o dia 28 de setembro. Espero que setembro passe rápido

Mais uma vez, agradeço do fundão do coração aos comentários anteriores. Eu lia cada um e pensava: poxa, como é bom ter um blog e saber que tem várias amigas que ajudam com palavras. Os sete comentários me deram muita força, amei cada palavra de vocês e fiquei muito feliz.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

18 semanas

Entrei no quinto mês essa semana, sinto que a barriga deu uma espichada, mas sinto o bebê mexer pouco, só quando deito de barriga pra cima.
Essa semana, fui à psicóloga e foi muito bom. Ela não concordou com a idéia do psiquiatra de eu me afastar do trabalho, pelo menos por enquanto. Fui ao meu GO, só pra saber a opinião dele e acabei antecipando a consulta em uma semana. Conversei com ele sobre o que tenho sentido, a opinião dos especialistas e tudo mais. Ele ficou uns trinta minutos conversando comigo, tentando entender o que estou passando e dando a opinião não profissional dele, além de se colocar à disposição quando eu precisar conversar. Eu engordei dois quilos, estou pesando mais do que com 9 meses na gravidez da Ana. Fiquei arrasada. Vou tentar manter esse peso até o fim. (Será?)
Na hora de ouvir o coração, o médico comentou que ele é muito ativo, não pára de mexer. Fiquei aliviada porque quase não o sinto. Mas ele está bem.
Desde o dia em que fui na terapia, não senti mais nada, espero que continue assim.
No fundo, no fundo, eu fico constrangida de dizer que estou grávida, apesar de ter um bebê de um ano, mas que mesmo assim, estou muito feliz. Tenho sentido uma felicidade muito grande com essa gravidez. Mas no geral, as pessoas não entendem, acham até que a minha ansiedade é pela preocupação de ter dois bebês em casa. Eu nem tenho pensado muito nisso, só estou feliz. Dois comentários que me aborrecem são: "Você é corajosa" (como se eu tivesse programado engravidar agora) e "Você é maluca". Fico a pensar no significado desses comentários: sou corajosa ou maluca por quê? Porque, sabendo que estava grávida, resolvi seguir com ela adiante? Hã? Oi? É isso?
Bom, o que importa é que estou muito feliz com o meu bebê. Pronto, falei.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Sobre o tratamento

Pois bem...
Fui à dois psiquiatras. Como não conseguia marcar com nenhum, acabei conseguindo uma vaga com uma psiquiatra particular e outro pelo plano que me encaixou. Na primeira consulta, a médica ficou comigo por uma hora, conversou muito, queria saber tudo da minha vida. E recomendou o uso de dois medicamentos, um deles, uma gotinha de Rivotril, o que me assustou. Segundo ela, a medicação é bem fraca devido a gestação e que ficaria monitorando através da ultra. Gostei da médica, mas fiquei preocupada com essa coisa de remédios. Não tomei.
No dia seguinte, fui ao psiquiatra do plano. Ele perguntou como estava minha família, se a gravidez foi desejada e com quanto tempo estou. A decisão dele foi tratar-me em três estágios: Primeiro, tomando a passiflora indicada pelo meu obstetra, segundo, visitar uma psicóloga uma vez por semana, terceiro, afastar-me do trabalho. A medicação seria a última decisão, só em último caso. Achei que ele foi muito coerente. Ele precisa da posição do meu obstetra e da psicóloga, para que os três façam um laudo de afastamento. Além de querer saber a opinião do meu marido quanto a isso tudo.
Os dois médicos queriam saber como recebi a notícia dessa segunda gravidez e eu disse que não foi planejada, mas muito bem vinda. Os dois médicos acham que eu devo me afastar do trabalho. A primeira perguntou se eu queria me afastar e eu disse que não. O segundo disse que eu tenho que me afastar. Ou medicamento ou o afastamento.
Estou numa situação a decidir. Confesso que não gostaria de me afastar do trabalho agora, ainda mais com uma licença pela psiquiatria que é uma mancha no histórico do funcionário para o resto da vida. Porém, entre tomar remédio, podendo prejudicar meu bebê e ficar com um porém para a tentativa de outros concurso públicos, prefiro arriscar minha carreira. Realmente, minha profissão é extremamente estressante. Trabalho com adolescentes e adultos. Adultos, tudo bem, mas adolescentes, sem comentários.
Na gravidez da Ana, o grau de stress no trabalho foi muuuuito pior do que agora. Tive turmas horrorosas, cansei de explodir, bater boca com alunos, ao ponto de alguns se assustarem e pedir que eu ficasse calma para não prejudicar o bebê. Agora, as turmas estão razoáveis, mesmo nas situações mais complicadas, evito explodir, deixo pra lá e respiro fundo.
A minha sensação de ansiedade vem em vários momentos, em casa, no trabalho, na rua, até tomando um lanche no shopping. É como uma dor de barriga, não sei porque vem ou quando vem, só sei como devo previnir.
Confesso que estou muito preocupada com o bebê. Tenho medo de sequelas devido as substâncias que meu organismo libera quando fico na ansiedade. Tenho pedido a Deus que o proteja de todo mal.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

17 semanas e a 'benção' de se ter um casal

Estou com 17 semanas e já ando ansiosa pra tudo correr rápido, a barriga ficar estourando de enorme, chegar o verão e eu entrar de férias. Algumas vezes, quando deito de barriga pra cima, sinto um montinho de um lado da barriga e uns movimentos tímidos. É ele. Ontem, mostrei para o papai e ele ficou todo bobo. Toda hora ele olha pra mim e diz: "Pontinha (eu) está carregando o Ian, é?" Todo orgulhoso.
Sobre a ansiedade, tenho passado dias melhores. Já percebi que quando me vejo na incubência de realizar várias tarefas e obrigações, eu fico ansiosa, angustiada. Mesmo com os dias melhore s, já marquei psiquiatra e psicólogo. Não custa tratar. Quer dizer, custa caaaaro, pois psicólogo não tem no meu plano e psiquiatra, só consegui particular, pois os do plano só tem vaga para daqui a dois, três meses.
Eu ouço muito das pessoas que eu sou abençoada por ter um casal. As pessoas recebem com alegria a vinda de um menino. Mas, eu realmente não vejo diferença ter um casal ou dois do mesmo sexo. Um dia desses, ouvi uma pessoa falando para uma mãe que está grávida de um menino e já tem um menino: "Outro menino!" Como se a mãe fosse responsável por isso.
Antonio já determinou que o irmão vai tomar conta da irmã. Pode isso?
Acho lindo mães e pais de dois meninos ou duas meninas, assim como de um casal. O mais importante é ter sabedoria para criá-los.

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Noticias e agradecimentos

Minha mãe esteve conversando com um psiquiatra sobre o meu caso e, segundo ele, essa ansiedade tem que ser tratada, pois é perigoso na gravidez. Já providenciei consultas com psiquiatra e psicologo. Tem dois dias que me sinto menos pior. O que me deixa mais desesperada é eu não conseguir controlar essa sensação e saber que isso pode fazer mal para o meu bebê. Depois das consultas, trarei notícias.

Quero agradecer ao enorme carinho de todas vocês: Camila, Debora, Aline, Lorena. Cada palavra escrita por vocês foi muito importante pra mim. Lo, vou te ligar qualquer dia desses, estou preocupada com você.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

16 semanas


Esta aí uma foto da barriguinha (barriguinha????) de 16 semanas. Vou tomar jeito e tirar muitas fotos da barriga.
Tenho passado dias difícieis. Não tem nada a ver com a gravidez, com a familia, com o trabalho, com nada ou, com tudo. Continuo com a crise de ansiedade. É uma sensação horrível, uma angustia, vontade de chorar.Amanhã, vou procurar um terapeuta, talvez um psiquiatra também. O que eu não posso é continuar assim, essa ansiedade faz mal para o bebê, me impede de trabalhar, de cuidar da Ana.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

É menino!

Hoje, fui na clínica que trabalha minha amiga para fazer uma ultra só pra confirmar o sexo do bebê. Como amanhã tem Feira no Riocentro, queria já adiantar algumas comprinhas. De cara, o menino se mostrou todo, ele abriu as pernas, se virou, abriu as pernas de novo, como quem diz: "Mãe, eu sou homem mesmo". Eu ainda questionei se não havia a possibilidade de ser o cordão umbilical, mas o próprio Ian fez o favor de mostrar que não. Eu fiquei feliz de confirmar. Pra mim, se fosse outra menina, ficaria feliz da mesma forma. Não faz diferença nenhuma pra mim. Agora, páro pra pensar e acho estranho que serei mãe de menino.
Uma sensação que tenho nessa gestação é o amor sólido que já sinto por ele. Não que não amasse a Ana na minha barriga, mas como era meu primeiro bebê, eu não tinha noção do que era ser mãe, ter alguém como filho na prática. Então, o bebê ficava no plano das idéias. Agora não, já tenho noção de como será ter outro filho. Há pouco tempo, ouvi uma apresentadora de TV dizendo que quando se tem dois (ou mais) filhos o amor se multiplica. E é exatamente o que sinto, não deixo de amar a Ana e nem amo menos o bebê. São amores iguais e me sinto feliz por isso.

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Mamãe chorona

Essa gravidez está sendo marcada pelo chororô. Nunca chorei tanto. Choro por tudo e por todos.
No domingo, no almoço do dia dos pais, enquanto todos conversavam na mesa, eu comecei a sentir uma ansiedade, como se algo fosse acontecer de repente, como se o coração fosse sair pela boca. A sensação ficou a tarde e a noite. No dia seguinte, fui trabalhar, a sensação tinha passado. Na metade do segundo tempo em uma turma, comecei a ter essa sensação de novo e uma vontade incontrolável de chorar. Tentei disfarçar, mas os alunos perceberam e eu desabei. Larguei a turma e liguei para o meu pai pra me buscar. Fiquei preocupada com isso, porque nunca tinha sentido algo desse jeito. Liguei para o GO e antecipei a consulta.
Ele me encaminhou para um cardiologista, porque disse que nenhuma possibilidade pode ser descartada na gravidez. Examinou meu coração e minha pressão e percebeu que as batidas estavam inconstantes. Enquanto ele me examinava, eu desabei a chorar. Ai que vergonha!
Ele disse que provavelmente é ansiedade, mas me orientou a fazer um ecocardiograma, e me passou um calmante natural. Conversou muito comigo, das grandes mudanças que eu estou e vou passar, de ter um bebezão e estar grávida de novo. Além disso, a mudança de casa e a volta integral ao trabalho são muitas coisas (boas) que mexeram com o meu emocional.
Essa semana vou fazer uma ultra pra confirmar o sexo do bebê, espero que consiga ver direitinho.
Estou pensando em arrumar um tempo para fazer terapia, eu realmente preciso. Não só para encarar a minha nova vida familiar, mas também profissional. É muito duro ficar um ano em casa e ter que voltar ao trabalho, parece que comecei a carreira agora.
Quando confirmar o sexo, venho comentar aqui para minha 1 1/2 leitora.

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

14 semanas

Pois é, ando muito sumida. Até deixei de escrever sobre as 13 semanas. Então, vou fazer um resumão dessas duas semanas.
Parece mentira, mas já entrei no segundo trimestre. Eu tinha esquecido de como se conta essa coisa de semanas e meses. Na minha contagem, estou com 3 meses e duas semanas. Mas na verdade, estou na contagem dos 4 meses. Contando assim, dá certinho a DPP (data prevista para o parto). Outra coisa, acho que o bebê deve nascer no finalzinho de janeiro ou nos primeiros dias de fevereiro.
A minha barriga está enorme, mas tem mais de gordura do que bebê. Mas eu não consigo encolhê-la...hehehe
Fiz uma ultra no dia 9 e, graças a Deus, não tem hematoma nenhum e o bebê está ótimo. Só não confirmei o sexo, não tive coragem de perguntar ao médico.
Os enjoos estão indo embora, mas de vez em quando, me sinto um mal estar. Já senti as contrações de BH e a impressão de sentir o bebê mexer, mas tenho vergonha de falar por aí porque vão pensar que eu estou doida, que não dá pra sentir o bebê mexer ainda, blá, blá, blá. Então, é segredo, tá?! rs

sábado, 30 de julho de 2011

Muitas notícias

Fiquei tanto tempo sem aparecer que as notícias se acumularam. Espero não esquecer de nenhuma.
Tive consulta com o novo GO, na segunda feira. Essa consulta era pra ser no dia 3, mas uma conhecida, que é paciente dele, conseguiu com que eu tivesse a consulta antecipada. Gostei muito do GO, ele me deixou bem a vontade, o que é fundamental pra mim.
Quando disse que meu último parto foi há um ano e foi normal, ele logo avisou que não faz parto normal e fez todo um discurso que não tem tempo e que não sei o que mais. Eu o interrompi e disse que não estava preocupada com isso, que podia ser cesárea, só quero que tudo corra bem. Mandou que eu repetisse a ultra no início de agosto pra ver como está o hematoma, mas já me tranquilizou de que, como o hematoma é bem pequena, não corro risco de aborto nesse periodo de gestação (12 semanas). E recomendou que não fizesse esforço, não dirigisse (dificil, né) e só pegasse a Ana sentada (mais dificil ainda).
Um dia depois da consulta, fiz um pouco de esforço pegando a Ana do chão, levantando, colocando no chão de novo..., senti um leve incomodo na barriga, fui à igreja e no final do culto, fui ao banheiro e entrei em pânico quando vi que estava sangrando. Minha mãe foi pra casa com a Ana e Antonio me levou na emergência. Fizeram uma ultra e graças a Deus estava tudo normal, nem o hematoma foi visto pelo médico. Mas, mesmo assim, ele pediu pra que eu maneirasse no esforço.
Sinto que pegar a Ana toda hora é bem desgastante, ainda bem que meus irmãos e pais estão por perto agora pra me ajudar. Marquei outra ultra para o dia 9 de agosto e não vejo a hora de ver meu bebezico de novo.

quinta-feira, 21 de julho de 2011

TN

Ontem, fui fazer a ultra pra medir a TN do bebê.Fui bem tranquila, sem expectativa, só doida pra ver o bebezinho de novo. Graças a Deus, está tudo bem com o bebê, as medidas deram normais. Só o que me preocupou foi a suspeita de hematoma que tenho na placenta. Segundo a médica, é bem pequena, mas eu preciso de repouso, não fazer esforço, pegar peso, essa coisa toda. E como fica? Estou prestes a mudar, sem ninguém pra me ajudar, como fica? A Ana está com minha mãe, o que facilita muito, pois não conseguiria fazer nada tendo que ficar sozinha com a Ana (mas já morro de saudade). Tenho medo de arrumar as coisas, mesmo devagar e sentada e causar algum mal a minha gravidez. Mas ao mesmo tempo, preciso arrumar as coisas para a mudança. Ajuda não tem, até se ofereceram a ajudar, mas até agora não apareceu ninguém.
Bom, agora vem a parte surpresa da ultrassonografia. A médica que fez a ultra é minha amiga, ela sempre diz que não palpita sexo do bebê assim tão cedo com medo de errar. Mas eu disse a ela que se ela visse algo, mesmo que remoto, iria me falar. Nem precisou. No meio do exame, ela se assustou e aí, eu olhei para o monitor e vi o bebê de perninha aberta e uma 'minhoquinha' entre as perninhas. Não teve dúvida. E ela dizia: calma, Flavia, não sai comprando tudo azul, vai que depois é menina. Eu disse que se me disserem que é menina, eu vou ficar preocupada, porque não tem como não perceber o pintinho tão visível. Eu vi e confirmo que é MENINO. Ainda bem que tem video e foto pra confirmar.
Liguei para o papai que ficou todo bobo, já que ele queria um menino. E, o que tudo indica, se chamará Ian mesmo.
Ian- origem eslava. Significado: Deus é gracioso

terça-feira, 19 de julho de 2011

11 semanas

O tempo está passando rápido. Acho que é porque eu ando tão atarefada que não consigo ficar pensando na gravidez o tempo todo. Amanhã farei a Ultrassonografia da TN, confesso que não estou com medo como fiquei na primeira vez, mas espero que tudo esteja bem com o meu bebê. Quanto a ansiedade de saber o sexo, nem estou muito. Claro, quero muito saber, mas como o da Ana demorou pra eu descobrir (só consegui saber com 20 semanas), nem vou me empolgar muito. Estou há dois dias sem enjoos, espero que acabem logo.
Tem horas que esqueço que estou grávida, se nao fosse os enjoos, esqueceria pra valer, não sinta nada, nem as colicazinhas que tive na gravidez da Ana. Quero que a barriga cresça logo e que eu chegue ao segundo trimestre, pra mim, a melhor fase, depois da expectativa do nascimento do bebê.

sexta-feira, 15 de julho de 2011

10 semanas

A semana está quase acabando e só agora vim postar. Essa semana foi de altos e baixos. Depois do aniversário da Ana e preparação para a mudança, tem sido uma loucura pra mim. Além disso, tive uma quarta feira excelente, sem enjoo, disposta, até cozinhei feijão, limpei a casa e abusei. Fui resolver umas coisas no centro de Maricá com a Ana e aproveitei pra comprar um secador de cabelo, paguei o produto, na hora de pegar a mercadoria, descobri que tinha que subir dois lances de escada com a menina no colo. Foi brabo. No dia seguinte, acordei cheia de dor no corpo, com diarreia e muito enjoada. Cheguei ao ponto de vomitar ao tentar trocar uma fralda de coco da Ana. A menina ficou assustada ao me ver passando mal. Fiquei o dia todo de molho. Hoje, acordei super bem, espero continuar assim. Não vejo a hora de passar esses enjoos, é o pior da gravidez. Acho que ainda é pior do que a dor do parto normal, porque o sofrimento é a longo prazo. E com um bebê pra cuidar fica muito pior, tem que levantar da cama, mexer com comida...é brabo.
Semana que vem tem ultra tn, descobri que é minha amigona que vai fazer. Assim, me sinto a vontade pra perguntar qualquer bobagem.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

9 semanas

Demorei pra vir postar e a semana está quase acabando. Continuo sofrendo com os enjoos. O pior de tudo é que além de enjoar com alho, feijão, café, tenho sentido enjoo com o cheiro da Ana, pode?! Tenho me esforçado muito. Sinto-me extremamente cansada, de todos perceberem. Enquanto estou na casa da mnha mãe, tudo vai bem, porque ela me ajuda com a Ana e cozinha. Mas, em casa, é sofrível.
Interessante, é que me sinto mais ligada com esse bebê do que com a Ana no mesmo tempo de gestação. Acho que como já tenho a experiência de ser mãe, esse sentimento está mais forte.
Quanto ao GO, ainda estou analisando. Tenho consulta com a minha antiga GO, no dia 15, mas nem sei se ficarei com ela.

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Consulta na GO e outras

As pessoas dizem que já tenho uma barriga. Antonio percebeu e eu disse que não, que a barriga é de gordura. Mas resolvi verificar, encolhi a gordura e notei que realmente tem uma barriguinha aparecendo. Aí, veio a questão: Será que são gêmeos? Antonio surtou com a possibilidade. Minha amiga que trabalha com ultrassom, disse que faria uma USG na segunda para vermos como estão as coisas. E lá estava o bebê, já tem cotoquinhos de braços e pernas e estava se mexendo. O coraçãozinho batendo. Fiquei apaixonada. E era só um. (Ufa!)
Naquele mesmo dia, fui na consulta com a GO nova. Gostei, mas ela disse que não poderá fazer meu parto, pois entrará de férias no período. Ou seja, terei que caçar outro GO. Talvez continue com a que fez o parto da Ana. O problema é que ela está sempre lotadérrima, a mulher faz parto normal, cesárea e ainda dirige um centro de estética. É muita coisa e isso me preocupa em relação a uma emergência. A GO me perguntou se eu ia fazer parto normal de novo. Minha resposta: tanto faz. Se tivesse uma terceira opção de parto, seria mais fácil decidir. Mas ainda tem muito tempo, até fevereiro, eu decido ou as circunstâncias decidem.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

7 semanas

E os enjoos começaram. Estou péssima, com cara de defunta (pra não dizer de bunda). Mas é exatamente assim que fico pela manhã. Como sofro. Os enjoos começaram exatamente na mesma semana da gravidez da Ana. E o pior é que não consigo comer direito. Ontem, almocei batatinhas fritas industrializadas. Fui para o trabalho e me senti fraca. Quando tive uma oportunidade de comer, tomei um suco de acerola com laranja super ácido e um pastel de forno. Ou seja, alimentação péssima. O problema é que, apesar da fome, não tenho vontade de comer. Oferecem bombom, bolo, tudo que eu gosto e eu RECUSO. Devo ter emagrecido, pelo menos, uns dois quilos. Porém, a barriga continua aparente. Não, não é barriga de grávida porque com esse tempo de gestação não há barriga. Mas, como estou sempre com a sensação de empanzinada, estufo a barriga. Além dos enjoos, sinto-me extremamente cansada.
Não vejo a hora de passar esse primeiro trimestre.

segunda-feira, 13 de junho de 2011

6 semanas

Ai, ainda estou tão no inicinho. Tem tantas águas pra rolarem...
Não sinto muitos enjoos, mas me sinto muito cansada. Tem sido difícil levantar de manhã pra fazer as coisas.
Ontem, senti um pouco de cólica, como as menstruais, por isso, resolvi ficar deitada até mais tarde. Só levantei às 11 da manhã, o que desregulou toda a rotina da Ana. Mas depois, tive um dia tranquilo.
Os amigos tem recebido a notícia com muita alegria (que bom). Achei que muita gente ia criticar, dizendo coisas do tipo: "Mas já?" Mas, ninguém tem naaaaaaada com isso. As opiniões que me interessavam eram do Antonio e dos meus pais.
O que me tem preocupado no momento é que tive que parar de amamentar a Ana. Apesar dela mamar pouco, os meus seios estão doloridos e, às vezes, vazam. Estou doida pra ir à consulta da GO pra saber disso tudo.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Como andam as coisas

Até agora não tive enjoos, mas ando extremamente cansada. Olho as coisas que tenho que fazer e não tenho vontade de fazer nada, só de dormir, apesar de não poder. O que me preocupa agora é que não consegui uma consulta pra esse mês, já liguei para vários outros médicos, mas ninguém tem horário. Quero fazer os exames iniciais e uma ultra pra ver se está tudo bem. O jeito vai ser ir à casa da minha mãe e madrugar no sábado pra pegar uma senha e ser atendida pela minha GO por ordem de chegada. Vai ser dureza, mas é o único jeito.
Só ficarei tranquila quando ver que o embrião está se desenvolvendo bem.

terça-feira, 7 de junho de 2011

A descoberta

Passaram-se dois dias e nada das regras (como dizia minha avó) chegarem. Desconfiei. Os meus seios estavam ficando escuros, como foi na gravidez da Ana, e aí, tive quase certeza. Fui à farmácia e pedi dois testes de marcas diferentes. A moça da farmácia disse: "É pra não ter dúvida, né". Uma 'tiazinha' com pinta de fifi, ouvi a conversa e me perguntou: "Foi planejado?" Eu disse: "Não, mas será bem vindo."
Fiz os dois testes e deu muito positivo. Ainda fui ao laboratório e paguei por um beta e deu positivo. Fiz exatamente como foi na gravidez da Ana.
Fiquei um pouco preocupada com a reação do meu marido, porque já tinhamos decidido que teríamos somente um filho. Ele tinha pavor só de ouvir falar em outro filho. Quando contei a ele, me surpreendi. Antonio abriu um sorriso e ficou muito feliz.
Sabemos exatamente quando tudo aconteceu. Mas o mais estranho é que não bate com o que seria um período fértil. Estou começando a acreditar que minha fertilidade é nos 365 dias do ano. Tenho que tomar cuidado.
Estou feliz, mais paciente do que na primeira gravidez.
Já fiz as contas, esse bebê nascerá no início de fevereiro, quando Ana estará com 1 ano e sete meses.